Welcome, visitor! [ Register | Loginrss

As melhores acompanhantes do Rio de Janeiro estão aqui! hotside.com.br

Traindo meu marido pela primeira vez

  • Enviado: 3 de janeiro de 2008 20:15

Corpo do conto

Adoro comer o cuzinho de mulher casada, eu me sentia mal ouvindo aquilo, mas o que poderia fazer? Lá estava eu de 4 em uma cama de motel com outro homem que não meu marido com seu pênis penetrado dentro do meu ânus. Eu já estava casada a 6 anos, apesar de amar meu marido, meu casamento estava monótono, trabalhávamos muito, nos víamos pouco e ainda não tínhamos filhos. Flavia, minha melhor amiga já estava separada, e um de nossos papos preferidos era sobre as aventuras sexuais dela com o seu chefe, um verdadeiro garanhão que como se diz na guria  era um pau de mel -, eu ouvia as aventuras dela, e obviamente aquilo me deixava excitada, mas não imaginava trair meu marido, no fundo a idéia era só uma fantasia. Sempre falei para Flavia desta minha fantasia, e ela sempre me incentivou a dar pro chefe dela, mas faltava uma certa dose de coragem. Um sábado, combinei de almoçar com Flavia em um shopping, quando a encontrei ela estava em companhia do seu chefe, sentamos os três e começamos a tomar vinho e almoçarmos. A conversa fluiu bem, falávamos de tudo, sem barreiras, um papo de velhos amigos. Depois de um certo tempo, Flavia disse que tinha um compromisso e que teria que nos deixar, de cara desconfiei que aquilo era uma manobra para me deixar as sós com o seu chefe, mas o que poderia fazer? Flavia se foi e continuamos a conversar, até que surgiu o convite indecoroso? Vamos a um lugar mais reservado? Você é casada e não queria que alguém nos vissem juntos, que acha? O lado fêmea me dominou, disse sim, e entramos no carro dele até um motel. Eu estava nervosa, entre um cigarro e outro, me perguntava  O que estou fazendo aqui?- Ele não fumava, mas disse que não iria brigar comigo por causa do cigarro, pq entendia a situação. Chegamos ao motel, eu ainda tava tensa, mas tomamos um pouco de uísque, ai fui me soltando. Começamos a nos amassar na cama, até que eu fiquei completamente nua. Ele me deu um banho de língua, era impossível resistir a tanto tesão. Ai a transa rolou solta. Acho que ele me comeu em uma dúzia de posições diferentes. Papai mamãe, frango assado, de ladinho, cavalinho, em pé, sentada, deitada. Minha vagina já estava inchada de tanto ser penetrada. Ficamos umas 2 horas transando, quase sem parar. Ao final de tantos gozos, fumei o ultimo cigarro pensando que iríamos logo embora, até que ele resolveu me fazer um pedido especial.  Posso comer seu cu?- Eu a principio disse não, mas a curiosidade em experimentar era maior, então quis combinar com ele algumas coisas. Você vai parar se eu pedir? Vai devagar? As preocupações básicas de qualquer mulher, mesmo olhando para aquele pau enorme, um dos maiores que já tinha visto, me senti segura em ter penetrada pelo ânus por aquele homem delicioso. Fiquei de 4, nua em cima da cama, como ele mandou. Enquanto ele passava um lubrificante naquele pênis enorme, me passava pela cabeça algumas coisas.  Será que ele não vai me machucar?  E se meu cuzinho sangrar ou coisa assim, meu marido pode desconfiar?  E se este cara me pegar pela cintura com força e me penetrar com vigor?  Eu parecia uma criança que iria tomar injeção enquanto olhava para a enfermeira preparando a agulha e a seringa. Era um misto de medo, expectativa, mas com muito tesão. Finalmente ele estava pronto. Em posição atrás de mim, com o pau lubrificado. Senti a sua glande tocar a entrada do meu ânus, dei um suspiro, então meu acho assumiu o comando.- Agüenta um pouco, que o começo é mais dolorido mesmo, depois que entrar a cabecinha melhora  E que cabecinha gigante pensei comigo mesma, a sensação era de que aquela coisa estava me rasgando, abrindo ao meio. Dei um grito que era um misto de dor com tesão. Ele então parou de enfiar, manteve apenas meio pênis dentro de mim, e me disse – Vou esperar um pouco, com o pau dentro para que seu cuzinho dilate um pouco  Fiquei imóvel, procurando relaxar, até que uns 2 minutos depois já não sentia dor, então disse pra ele, pode penetrar mais. Fui sentindo o pênis entrar mais e mais até que finalmente senti seus testículos tocarem a entrada do meu ânus, pensei comigo mesma. Aquele pênis gigante já esta todo dentro de mim. Senti ele apertar minha cintura com as mãos, e iniciarmos um movimento de vai e vem, como um balé do sexo, aquele pênis maravilhoso entrava e saia todo de dentro do meu ânus, como se estivesse me rasgando, procurando espaço naquela região tão apertada do meu corpo.  Eta menina que gosta de um pau no cuzinho  Enfia, enfia vai, gritava eu, enquanto era penetrada. Que cuzinho apertadinho e quentinho  Come meu rabo, come  Além de um balé de movimentos, aquela transa também era um cordel do sexo, com palavras, frases, provocações. De repente senti uma estocada mais forte e os movimentos cessarem, senti o pau latejar dentro do meu ânus, e o esperma ser ejetado dentro de mim. Minha bunda era um misto de dormência com uma sensação doida de quem precisa ir ao banheiro urgente. Me levantei e me tranquei no banheiro, precisei de um bom tempo até voltar ao normal, até me lavar. Vestimos nossas roupas e fomos embora, afinal éramos pessoas casadas e precisávamos voltar para nossas famílias. As fotos foram batidas no meu celular, eram lembranças daquela transa maravilhosa daquele domingo a tarde. Quem quiser me escrever, mande e-mail para topfet@yahoo.com

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Para entrar em contato com este autor preencha o formulario abaixo e clique em enviar.

Pesquisa