Welcome, visitor! [ Register | Loginrss

Enviar Conto

SEM CALCINHA, SEMPRE

  • Enviado: 21 de fevereiro de 2002 07:08

Corpo do conto

Desde meus 18 anos eu gosto de usar roupas que chamem a atenção dos homens. Modéstia a parte, eu tenho um corpo muito bonito, principalmente minha bundinha que é bem arrebitada e saliente. O problema é que meus namorados ficavam sempre enciumados, até que conheci o Marcelo. Ele era uma cara muito legal e adorava meu exibicionismo. Nós sempre saíamos juntos para comprar roupas para mim, e era sempre ele que escolhia. Vestidinhos transparentes, shorts curtíssimos, mini-blusas decotadas eram as escolhas dele e eu adorava, lógico. Mas quando ele pediu para que eu não usasse mais calcinha nem sutiã, achei demais. Seria muito fácil qualquer pessoa ver minha xaninha porque minhas roupas eram realmente curtas ou transparentes. Para agradá-lo, resolvi experimentar um dia que nós fomos ao cinema. Coloquei um vestidinho preto que ele havia me dado e mais nada por baixo. Ele já foi me bolinando no carro durante todo o trajeto, me deixando maluca. Quando estávamos na fila para comprar ingresso, eu tinha a sensação que todo mundo sabia que eu estava nua por baixo, mas não dava para ver diretamente, só se eu me abaixasse um pouco. O interessante é que eu fiquei excitadíssima como nunca fiquei, só por estar sem calcinha. Falei para ele que sairia assim sempre que ele quisesse e ele me disse que, se eu topasse, eu não deveria usar calcinha nunca mais. Transamos a noite toda pensando nas possibilidades. No próximo fim de semana, houve uma festa na casa de um dos amigos dele e ele me pediu para me vestir que nem uma putinha. Coloquei uma mini-saia e uma mini-blusa de seda. Os biquinhos do meu seio ficaram durinhos pois a seda é fria. A mini-saia era curtíssima e qualquer movimento aparecia minha xaninha. Para completar, coloquei uma sandália de salto para arrebitar ainda mais minha bundinha. Quando o Marcelo foi me buscar, quase gozou nas calças, eu estava realmente parecendo uma puta. Chegando na festa, parece que todo mundo percebeu minha presença. As mulheres ficaram meio encanadas, mas os homens da festa aposto que gostaram. Eu, para provocar, dançava sensualmente e muita gente percebeu que eu estava sem calcinha, foi o comentário da festa. O Marcelo me incentiva cada vez mais. Bebemos muito chopp e quando estava um pouco alta, um amigo do Marcelo me chamou para dançar. Estava tocando pagode e ele me abraçou e me levou para a pista de dança. Quando começamos a dançar, o pinto dele começou a ficar duro e se esfregou na minha xaninha, que essa hora já estava molhadinha. Gozei ali mesmo, dançando com o amigo dele se esfregando em mim e passando a mão no meu cuzinho por trás. Tive que ir ao banheiro me limpar pois minha xaninha estava muito molhada. Acho que esse amigo do Marcelo contou para os outros caras o que eu fiz e quando saí do banheiro todo mundo queria dançar comigo. Olhei para o Marcelo e ele estava dançando com outra garota e eu pensei: “Por que não?”. Dancei com vários caras na festa e todos eles repetiram o que o primeiro fez. Muita coisa aconteceu desde então, eu sempre aprontado essas coisas e o Marcelo adorando. Infelizmente, ele teve que mudar para outra cidade e terminamos. Sempre que posso, mostro minha xaninha para algum cara em shoppings, onibus e danceterias. Nunca mais usei calcinhas e isso se tornou um vício. Gostaria que os leitores desse site me escrevessem sugerindo alguma loucura para eu fazer, eu faço se possível e respondo dizendo como foi. Adoro experimentar coisas novas nesse sentido e adoraria ter novas idéias. Meu e-mail é exibicionismo@zipmail.com.br. Um beijão a todos.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Para entrar em contato com este autor preencha o formulario abaixo e clique em enviar.

Sobre este autor

  • Escritos por:
  • Membro desde: 23 de abril de 2014

Outros contos de autoria deste autor

Ultimos contos escritos por komedor »

Pesquisa