Welcome, visitor! [ Register | Loginrss

Enviar Conto

Passo a passo da masturbação anal

  • Enviado: 10 de maio de 2005 22:31

Corpo do conto

Já relatei no meu outro conto da seção masturbação as diferentes formas de gozar e aproveitar a própria porra, agora o que me dá tesão antes de gozar e na hora do clímax propriamente dito não tem nada a ver com o pau, e sim com a bunda. Quero dizer que a melhor forma de gozar é com o cu cheio de alguma coisa, ou seja, a masturbação anal. Sei disso por experiência própria e vou contar como começar e depois continuar a arrombar cada vez mais o próprio cu, com ou sem a ajuda de alguém. Serva para homens e mulheres.

Desde criança eu sempre tive tesão na bunda, bastava meus amiguinhos passarem a mão nela pra eu já ficar de pauzinho duro. Lembro que quando pequeno eu puxava a parte de trás da cueca até o tecido enfiar bem no rego, depois eu enrolava os lados da cueca até a parte de trás e da frente ficarem bem fininhas, como se fosse uma tanguinha minúscula, só pra ficar andando e sentindo a cueca raspar e pressionar o cuzinho. Depois de um tempo só isso não era mais suficiente, então comecei a enfiar minhas canetas no cu enquanto fazia lição, sentia uma coceguinha gostosa no fundo da bunda enquanto enfiava, tinha gostado da sensação. Daí pra enfiar outras coisas foi um pulo, enfiava caneta bic 4 cores, depois uma caneta de 10 cores importada que minha irmã tinha e que roubei dela, sempre aumentando a grossura. Um dia fui usar o banheiro dos fundos e enquanto cagava vi uma vassoura encostada na parede. Fiquei olhando o cabo da vassoura já com tesão, imaginando ele dentro de mim. Não tive dúvidas, limpei a bunda, fiquei de pé com a bunda arrebitada pra trás e enfiei o cabo da vassoura no cu, baixando e levantando de leve, sentindo o cabo entrar e sair e batendo uma até gozar no azulejo do banheiro. Depois descobri uma escova de cabelo da minha irmã com um cabo um pouco mais grosso que o cabo da vassoura, meu cu já começou a coçar e lá fui eu enfiar o cabo pra acabar com a coceira, só que desta vez eu sentava na privada com as pernas bem abertas, passava a escova pelo vão, posicionava na entrada do rabinho e enfiava de baixo pra cima com uma mão, enquanto com a outra me punhetava até gozar gostoso. Mais ou menos nesta época eu dei o cu pela primeira vez, pra um amigo da rua que tinha um caralho bem avantajado (conto Tudo começou com um troca-troca I), e isto me ajudou pois perdi várias pregas naquele dia e meu cu recém arrombado tava pedindo pra engolir objetos cada vez maiores. Passei a enfiar embalagens de shampoo durante o banho, quando não tava sendo enrabado por ele tava sentando nos tubos cada vez mais grossos, batendo altas punhetas. Parece fácil falando desse jeito, mas pra ir aumentando a grossura assim é preciso de algumas manhas que eu fui descobrindo sozinho ao longo do tempo, além de uma vontade grande de ter o cu cada vez mais aberto. A vontade não é problema, pois depois que vc passa a bater punheta sentindo a anel alargado, é sempre um desafio perder cada vez mais pregas pra poder agüentar um tarugo maior enfiado no rabo e gozar mais gostoso, quem já deu o cu ou praticou masturbação anal sabe do que eu estou falando. As manhas são as seguintes: PRIMEIRO, a limpaza do buraco. Claro que a entrada vai ser mais fácil se não tiver nada pra sair. As vezes só ir ao banheiro antes não adianta, principalmente quando o que se vai enfiar já tem um bom tamanho, pois quando o objeto entra , estimula mais o reflexo de defecação. Aconselho sempre fazer uma ducha, ou seja, enfiar o chuveirinho no cu até enchê-lo de água e depois soltar na privada e repetir até a água que sair estiver limpa. Este método é bem mais eficiente, além de ser muito gostoso ter toda aquela água quentinha no rabo pra depois sentir ela saindo pelo cu, como se estivesse mijando pela bunda. Quando eu morava com meus pais o banheiro não tinha chuveirinho, então a limpeza era na marra, ou seja, eu cagava primeiro e depois ia tomar banho. Então eu enfiava o tarugo no cu e ficava sentando um pouco até estimular bem, pra depois tirar e cagar todo o resto logo em seguida. Então eu limpava e enfiava de novo, até a hora que não saía mais nada. SEGUNDO, deve-se sempre lubrificar bem o ânus e o que vai entrar nele, seja com sabonete, margarina, óleo ou KY. Como eu geralmente faço a masturbação anal no banho eu uso sabonete, mas com certeza com KY a penetração é mais fácil. TERCEIRO, a posição para a penetração. É melhor começar sentando, pois vc controla melhor a penetração e o seu peso faz o objeto entrar mais fácil, ainda mais se ele for grande. Depois que vc já sentou e que o negócio já entrou, então é mais gostoso ou ficar de quatro apoiando o objeto na parede e movimentando a bunda pra frente e pra trás, ou deitar com as pernas abertas e movimentar o tarugo enquanto bate a punheta. Nada impede de vc bater punheta sentando no objeto, mas a movimentação dele dentro do reto é mais difícil desse jeito, principalmente com objetos muito grandes. QUARTO, a forma do objeto. Objetos redondos sempre com o mesmo diâmetro, como consolos e a maioria dos tubos de shampoo, são bons de movimentar lá dentro, contanto que vc consiga a primeira enfiada. Os objetos que vão aumentando de diâmetro, como cones ou copos, são bons para quem quer alargar mais o ânus, pois vc enfia a parte menor e senta até o cu ir alargando e agasalhando a parte maior. A desvantagens dessas duas formas é que não dá pra manter eles dentro da bunda sem nada segurando, o cu consegue expulsar pra fora. Quando eu precisei arrombar mais meu buraco pra enfiar um tubo bem mais grosso, o que eu fiz foi usar um copo de vidro americano, então eu colocava ele ao contrário e sentava fazendo o cu abrir e engolí-lo até a bunda encostar no chão, pra depois continuar sentado pra mantê-lo enfiado e ficar laceando minhas pregas. Ou quando eu enfiava um tubo e queria manter ele ali por mais tempo, eu colocava uma calcinha da minha irmã ou das minhas namoradas (mulher sempre lava calcinha e deixa estendida no banheiro), de modo que o fundo da calcinha segurava o objeto enfiado na minha bunda, me sentia a maior puta, de calcinha com um mastro enfiado arrombando meu anel. Outra forma de abrir as pregas é enfiar algo que não é cilíndrico, e sim meio achatado como alguns shampoos, pois o ânus vai tomando a forma achatada e se abrindo, com a vantagem de se agüentar objetos com a largura bem maior do que se fosse redondo. Mas o formato mais gostoso é aquele que o diâmetro aumenta e depois diminui, como se fosse uma ampola. Eles funcionam como um verdadeiro plug, permanecendo enfiados mesmo com a força contrária de expulsão, com a vantagem de se ter dois prazeres, a hora que enfia e a hora que se tira do cu. Nesta classe entram alguns vegetais como a berinjela e a abobrinha. Ultimamente são estes que eu gosto mais de engolir, dá pra enfiar uma ampola bem grande, pois depois que passa a parte mais grossa o cu engloba a ampola e se fecha na parte mais fina, mantendo o negócio lá dentro enquanto vc se acaba na punheta sentindo aquela bola enfiada alargando as paredes do reto. Dá pra enfiar também bolas de verdade, o duro é fazer elas saírem. Eu queria encontrar umas bolas anais bem grandes que já vem com cordinha pra depois puxar, com certeza meu rabo agüentaria umas três bolas de bilhar enfiadas, mas eu só encontro bolas pequenas, tenho que me contentar com elas. QUINTO, como enfiar. Sempre se deve começar com objetos menores e depois ir aumentando o diâmetro, mesmo se o cu já está bem arrombado, pois se vc começar com o maior objeto que seu cu engoliu da vez passada, com certeza ele não vai entrar no início da masturbação anal, só no fim. Usando meu caso como exemplo, na última masturbação anal completa que eu fiz eu passei pela seguinte seqüência: entrei no banho e fiz uma ducha pra lavar bem o rabo, depois eu comecei enfiando um tubo de desodorante axe com 5cm de diâmetro (começo nele porque meu cu já ta bem laceado), depois enfiei um pote achatado pra alargar as pregas, então sentei num tubo de gel Bozzano de pouco mais de 6cm. Fiquei sentando, parando alguns minutos quando ele estava todo dentro pro anel acostumar inteiro aberto e ficar bem laceado, pra depois sentar num pote cilíndrico de sabonete líquido de 7cm que já foi suado pra entrar. Tirei um pouco pra descançar e enfiei de novo, sentando bastante pra abrir bem o rabo naquela grossura. Enquanto cavalgava naquele tubão, já comecei a passar sabonete na abobrinha que eu tinha comprado só pra isso, colocando ela na posição, ou seja, com a ampola virada pra cima só esperando a sentada. Logo que subi a bunda e o tubo saiu eu já sentei na abobrinha sem esperar o ânus fechar. Fui forçando aquele monstro pra dentro, com dúvidas se conseguiria fazer ele penetrar, mas a vontade de me superar foi mais forte, em determinado momento eu soltei todo meu peso e fui com a bunda pra baixo, sentindo o anel se arregaçar ao máximo até a maior parte passar. Enquanto ela tava passando eu soltei um berro e forcei mais ainda pra baixo pra aquela coisa enorme passar de uma vez, até sentir o cu se fechar de novo. Eu tava suando mas adorando ter conseguido agasalhar o tarugo todo, fiquei de quatro e forcei com a mão até ele entrar um pouco mais fundo, e fiquei parado sentindo a dor gostosa de estar com o o buraco completamente preenchido. Depois de um tempo eu puxei com força pra fazer a ampola sair, e assim que saiu eu me posicionei de cócoras e sentei nela de novo, fazendo-a entrar bem mais fácil que a primeira vez. Pronto, onde passa boi, passa boiada, agora já tinha arrombado mais um pouco meu anel e estava pronto pra me masturbar mexendo aquela tora dentro do rabo. Fiquei de joelhos com as pernas bem abertas e passei a me punhetar com uma mão enquanto com a outra eu movimentava o colosso, primeiro com ele todo dentro afundando, depois puxando até a ampola começar a sair e afundando até ela entrar. Os movimentos foram ficando mais acelerados, o cu abrindo totalmente e depois fechando um pouco tanto na saída da bolotona quanto na entrada, estava me dando um tesão imenso, o pau tava estourando de tão duro até o momento que eu estava pra gozar, quando enfiei aquilo tudo bem fundo e soltei um gemido profundo enquanto gozava e apertava meu anel em volta daquele imenso cacetão vegetal. Foi a esporrada mais gostosa da minha vida, estava empalado e preenchido como nunca tinha sido antes. Tirei o negócio do cu e tateei pra sentir o estrago, e que estrago, poderia aguentar uma tripla penetração no meu buraco naquela hora, fácil, fácil. tinha que aproveitar o cu arrombado pra enfiar a tora mais uma vez e tirar fotos, mas antes precisava lavar a bunda pra tirar todo sabão, se não não ia dar pra ver nada. Lavei a bunda, me sequei e fui pegar o KY, melequei de gel o cu e o caralhão verde e sentei pela última vez, tirando a foto. Depois tive as manhas de cortar a ampola na parte mais grossa pra poder medir o diâmetro, que deu 8cm na lata. Ainda tirei foto do pote de sabonete líquido (que entrou sobrando) e do cu arrombado após a seção completa da masturbação anal. Claro que não é sempre que faço esta seqüência, já enfiei outras coisas mais inusitadas no meu buraco largo, como meu celular envolto numa camisinha no modo vibro, ou a alavanca de câmbio do meu carro. Já sentei na bolinha do engate de um carro da amiga da minha mãe enquanto ele estava na nossa garagem, fiquei engatado no engate, que delícia aquela bola gelada entrando e se encaixando no meu cu como se fosse me levar pra algum lugar. Também enfiei minha própria mão inteira dentro do cu, fazendo um auto fist-fucking delicioso, que só não foi melhor pelo meu alongamento limitado. Mas com certeza a coisa mais bizarra que eu já enfiei foi recentemente, num fim de semana que eu fui viajar e estava sem ir ao banheiro por dois dias. Quando voltei estava sozinho em casa e fui direto pro banheiro, soltando um toroço ressecado e enorme, bem grossão (vantagem de ter o cu largo). Quando fui dar descarga olhei aquela bosta enorme e tive uma idéia insana. Entrei no banho enfiei o primeiro tubo que vi na frente e alarguei bem o cu. Depois enfiei a mão na privada e peguei o cocô, fiquei de quatro no box com a bunda bem empinada pra cima, levei o cocô pra trás e comecei a enfiar de volta no meu cu. Fui empurrando a merda com a mão espalmada até a parte ressecada entrar de volta, pra depois a parte mais mole começar a ficar amassada na porta, aí eu comecei a enfiar os dedos empurrando a bosta mole pra dentro até encher de novo o rabo da merda recém cagada. Então tirei o grosso da merda da mão com a água do chuveiro e fui sentar na privada, pra cagar a mesma bosta duas vezes batendo uma punheta. Gozei quando a parte ressecada estava passando pelo anel esmerdeado. SEXTO, a grossura do objeto. O quanto vocês agüentarem, com uma garantia: quanto mais grosso, melhor a gozada. A dilatação anal máxima que eu consegui até hoje foram os 8cm da seção de masturbação anal que eu relatei, pretendo ainda chegar pelo menos nos 10cm, mas por enquanto esta dilatação já fez a diferença nas últimas vezes que eu dei a bunda antes de casar. Aconteceu quando pouco tempo atrás eu reencontrei meu amigo de infância na casa dos meus pais, o mesmo que me enrabou pela primeira vez. Papo vai, papo vem, a gente começou a lembrar dos tempos de troca-troca, os dois começaram a ficar excitados até a hora que eu tirei meu pau pra fora e ofereci pra ele relembrar os velhos tempos. Ele ficou meio na dúvida, mas visivelmente com água na boca, pensou um pouco mas no fim se abaixou e abocanhou meu pau, iniciando um boquete como se não sentisse uma vara há muito tempo, passando a pica pelo rosto todo, lambendo a cabeça e depois descendo até a base pra dali chupar as bolas. Depois de chupar bastante, ele se sentou no sofá e tirou a pica pra eu chupar também. Como já disse, ele tem um caralho muito bem servido, quando vi aquele mastro duro apontado pra cima não agüentei, ao invés de chupar abaixei as calças, virei de costas pra ele e com as pernas abertas fui abaixando a bunda de encontro à benga, pegando no pau dele e direcionando até a cabeça encostar na porta do meu cu. Quando senti que encostou, sentei duma vez até a bunda apoiar nas pernas dele e a vara se esconder inteira dentro do meu canal, exatamente como fazia com os tubos de shampoo. Depois levantei até a tora quase sair pra poder sentar de novo até o cu abraçar a base do mastro, repetindo várias vezes o mesmo movimento, literalmente cavalgando naquele pintão. Nunca poderia imaginar que um dia conseguiria encaçapar daquele jeito a rola que há uns anos atrás entrava tão apertada no mesmo buraco, e acho que ele também não imaginava a facilidade com que estava me comendo, tanto que depois me colocou de quatro no chão da sala e fodeu meu cu como não fodia nem a boceta da sua esposa, puxando minha bunda de encontro à sua benga com vontade, atolando até o fundo e sabendo que eu ia agüentar o tranco com prazer. Antes de eu ir viajar ele ainda me visitou mais um dia já com segundas intenções, desta vez não teve cerimônia, assim que ele chegou eu já tirei seu pau pra fora e comecei a chupar pra deixar ele bem duro, pra depois virar de costas e receber a vara de pé mesmo, no meio do corredor antes que meus pais chegassem. Nunca que eu ia conseguir dar uma rapidinha destas se meu cu não tivesse tão largo e pronto pra engolir qualquer coisa dura e roliça, graças à masturbação anal. Bom, estas são as dicas, não se preocupem com contra-indicações, só evitem enfiar objetos cortantes, de vidro que possam se quebrar ou cabos de vassoura, pra não escorregarem e estourar tudo lá dentro. Fora isso, o máximo que pode acontecer é ficar com o cu arrombado, facilitando a saída das coisas que tem que sair e a entrada de invasores sempre bem vindos, além de punhetas muito melhor aproveitadas. Não consegui enviar as fotos junto com o conto, estão pesadas, mas posso enviar para quem quiser, é só me escreverem. Qualquer dúvida ou para troca de idéias, me escrevam.

One Response to “Passo a passo da masturbação anal”

  1. tem skype quero ver seu cu

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Para entrar em contato com este autor preencha o formulario abaixo e clique em enviar.

Pesquisa