Welcome, visitor! [ Register | Loginrss

As melhores acompanhantes do Rio de Janeiro estão aqui! hotside.com.br

Papai me pegou de calcinha e me fez de mulherzinha

  • Enviado: 18 de março de 2012 19:46

Corpo do conto

Tenho mais de 30 anos e ao longo da minha história sexual as lembranças do tempo em que morava com meu pai são sem dúvida as mais excitantes. Ele ficou viúvo aos 45 anos e teve que aprender a cuidar de um filho de 19 anos, cheio de segredos e extremamente reservado. Minha falecida mãe sempre soube da minha sexualidade e acobertava as minhas histórias. Sem ela eu já não tinha mais com quem conversar e meu pai não era a pessoa mais indicada para substituí-la. Adoro usar calcinhas desde que meu primeiro namorado me deu uma presente e então tirou meu cabacinho. Desde então isso virou um fetiche e sempre tive muito cuidado ao escondê-las. Num sábado fui a uma loja de departamentos e comprei algumas calcinhas novas para usar nas minhas aventuras com meus amigos bem dotados. Esperei que meu pai dormisse para eu poder experimentá-las com tranquilidade, sem medo de ser interrompido. Tomei um banho, deixei a pele perfumada e comecei a vestir, uma por uma. Olhava no espelho como elas ficavam cavadinhas, valorizando meu bumbum. Só de ficar imaginando um homem tirar as peças pequeninas que comprei fiquei tomado de tesão. Deitei na cama e fiquei me contorcendo com o rabinho em chamas. Peguei uma embalagem de desodorante conhecida, lubrifiquei e enterrei no cuzinho. Cada vez que eu enterrava mais aquele brinquedo no rabo mais eu gemia de tesão, nem percebia que estava fazendo tanto barulho. Eu estava prestes a gozar, já com o rabinho se contraindo numa mistura de desejo e dor quando me surpreendi com a voz do meu pai no quarto perguntando o que eu estava fazendo. Fechei as pernas e tentei me cobrir com o lençol como se assim conseguisse ocultar também toda a minha vergonha. Meu silêncio só foi interrompido pelas perguntas de meu pai: – Ou vi gemidos altos, pensei que você estivesse passando mal e o que te pego usando uma calcinha e enfiando não sei o que na bunda. O que é isso? O que é que está acontecendo aqui?. Abaixei a cabeça e continuei em silêncio, sem encontrar uma explicação convincente. Papai insistiu em respostas, mas como não obteve nenhuma se retirou confuso do quarto. Fiquei ali um tempo, sem reação, mas como ele já havia visto, provavelmente não voltaria a me incomodar. Então voltei ao que estava fazendo, mas me controlando para não gemer alto. Meu corpo já estava ficando fora de controle, começando a estremecer com o gozo que se aproximava quando a porta do quarto se abriu. Tomei um susto novamente com a figura do meu pai ali, parado me olhando. Dei um salto e tentei novamente me cobrir. Com um tom de voz firme, mas calmo, ele pediu para eu mostrar o que estava fazendo. Constrangido, fiquei imóvel. Ele se aproximou, retirou o lençol e disse outra vez: – Mostra o que você estava fazendo. Como não restava muito que fazer, deitei, abri as pernas e revelei a embalagem de desodorante toda lubrificada com creme e quase que enfiada por completo no meu rabo. Meu pai então ordenou: – Mostra como você estava enfiando. Comecei a enfiar lentamente, quando ele retirou a minha mão e resolveu ele mesmo segurar o brinquedinho improvisado e enfiar em mim. Fiquei surpreso e tenso ao mesmo tempo, pois não sabia o que poderia acontecer. Iria meu pai me punir em função daquele fragrante? De repente, ouvi uma nova ordem: – Fica de quatro e empina bem essa bunda pra cima. Assim fiz, e eu pai começou a tirar e colocar cada vez mais rápido a embalagem no meu cuzinho. Isso me levou a loucura e não consegui segurar os gemidos de prazer. Ficamos assim por mais de 10 minutos, quando meu pai soltou o brinquedinho e ficou em pé ao lado da cama. Não pude deixar de perceber o pau completamente duro do meu pai dentro do pijama. Nossa!! Nunca desejei meu pai antes, mas naquele instante era o macho mais tesudo que eu havia visto na vista. Ele enfiou uma das mãos dentro do pijama e ficou ali, parado, olhando para mim enfiando o desodorante no cuzinho. Então ele se despiu e colocou-se de joelhos na cama me oferecendo a piroca morena para chupar. Era linda! Morena, desenhada com veias grossas e outras azuis, delicadas. O cheiro era de macho, sem perfume, quente, aquecida pelo pijama e pelo tesão. Mamei todinha, chupando as bolas, molhando aqueles pelos negros, espessos. Ele não falava nada, apenas gemia baixinho e olhava o brinquedinho entrar cada vez mais fundo em mim. Senti uma palmada firma na bunda. Seria aquele o meu castigo? E era, estava delicioso. Deixei o pau do papai completamente molhado, duro como um pedaço de ferro. Queria que ele gozasse na minha boca; queria provar o gozo dele. Tomado pela excitação, ele levantou-se, foi para trás de mim, retirou o desodorante e colocou a piroca toda no meu rabo. Como foi gostoso. Um cacete de verdade é sempre melhor. Papai socava moderadamente, como se não quisesse machucar o cu do filho. Eu, experiente em tomar na bundinha desde muito cedo, o puxava pelas penas para me penetrar cada vez mais rápido e fundo. O gesto mais ousado dele eram os tapinhas no meu traseiro, que começava a ficar vermelho. Então senti que as bombadas ficaram mais fortes e rápidas, sinal que o gozo dele estava prestes a chegar. Toquei minha punhetinha num esforço de gozar com o cacete do papai todo enterradinho no meu rabo. Nossos movimentos ficaram sincronizados e minha bunda ia ao encontro da pélvis dele. Papai tirou o pau do meu buraquinho que já estava todo relaxado e trouxe para eu chupar. Senti um jato de porra quente e consistente invadir a minha boca; porra de macho maduro, experiente, de sabor forte, uma delícia, a porra do meu pai. Enquanto eu me deliciava com aquele leite na boca meu corpo estremecia com o meu gozo. Depois caímos juntos na cama, lado a lado. Não falamos nada. Ficamos ali de olhos fechados, sentido o cheiro de sexo que tomava conta do meu quarto. E assim dormimos, sem preocupação, relaxados, satisfeitos. E por muitas outras vezes fui a putinha do meu amado pai, mas é uma outra história. Procuro pessoas de Belém para sexo gostoso e safado.

2 Responses to “Papai me pegou de calcinha e me fez de mulherzinha”

  1. Muito bom, excitante!

  2. sou de bel, anota meu email: bariorolando@hotmail.com

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Para entrar em contato com este autor preencha o formulario abaixo e clique em enviar.

Sobre este autor

  • Escritos por: rabudo
  • Membro desde: 23 de julho de 2004

Outros contos de autoria deste autor rabudo

Ultimos contos escritos por rabudo »

Pesquisa