Welcome, visitor! [ Register | Loginrss

As melhores acompanhantes do Rio de Janeiro estão aqui! hotside.com.br

Tipo do usuario: guest

Irmão de Puta

  • Enviado: 18 de novembro de 2005 19:42

Corpo do conto

Olá, meu nome é Mauricio tenho 28 anos e a estória que vou relatar agora ocorreu a uns dois anos aproximadamente, os nomes e lugares obviamente foram trocados, a fim de preservar minha privacidade e de minha irmã, tudo começou quando ela esqueceu seu celular em minha casa, lá pelas 10 horas da noite o telefone tocou e eu, naturalmente atendi ao aparelho, do outro lado uma voz de homem:

-Alô, eu quero falar com a Valéria. (tinha bastante ruído, dava pra notar que a ligação era de algum lugar aberto)

– Ih cara, ela esqueceu o telefone em casa e já foi embora.

– Mas ela é uma vadia mesmo!

Desliguei o telefone na hora, não costumo dar atenção para trotes, nessa época, ela havia sido despedida do emprego recentemente e o puto do ex-patrão dela costumava fazer ligações do tipo pra ela, só pra pentelhar, e na hora achei que fosse ele, uns cinco minutos depois o telefone toca de novo, olhei no identificador mas o numero estava bloqueado, atendi e de novo os mesmos ruídos de fundo:

-Eu quero falar com a Valéria, quem ta falando?

-Mauricio, sou irmão dela e já falei que ela esqueceu o telefone em casa porra, você é surdo por acaso?

– É que eu marquei um encontro com a Puta da tua irmã e a vadia não apareceu ainda!

Eu pensei em desligar novamente, mas se fizesse isso mostraria pro cara que aquilo tudo estava me irritando, ele provavelmente ficaria ligando a cada cinco minutos e isso me encheria profundamente o saco, por isso resolvi jogar pelas regras dele e mostrar que eu não tava nem ai pra isso:

– E você me ligou só pra falar que a minha irmã é uma puta? E o que mais? Ela fode gostoso também?

– Fode pra caralho mano, geme que nem cadela no cio, é pra isso que quero falar com ela.

– Sério? Faz o seguinte cara, grava a trepada em vídeo e manda pra mim ver, eu sempre achei minha irmã gostosa mesmo.

– Pode deixar mano, eu mando pra você ver. E desligou o telefone.

Depois disso o cara não ligou mais, eu nem incomodei a minha irmã com isso e logo me esqueci do caso.

Duas semanas depois eu já nem me lembrava dessa ligação foi quando eu recebi, pelo correio um pacote pardo, com uma fita de vídeo dentro, o pacote não tinha remetente, eu achei estranho mas como sou fã de filmes e desenhos animados alguns amigos meus as vezes me mandam fitas com algum filme que eu esteja querendo ver, fui até o meu quarto, liguei o vídeo e logo vi que era uma gravação caseira mostrando um quarto qualquer que eu não conhecia, depois de um certo tempo a Valéria, minha irmã, entra no quarto, vestindo apenas um baby doll preto, com cinta liga e meias pretas, meu coração quase parou quando vi aquilo, eu sempre soube que minha irmã era bonita, mas nunca a tinha olhado com malícia, mas quando a vi naquele vídeo, se mostrando toda me despertou um tesão incrível, ela é dois anos mais velha que eu, tem rosto fino,cabelos compridos e lisos até a altura dos ombros, tem seios médios e empinados, nem grande demais nem pequenos demais, o tamanho ideal (apesar de eu gostar de peitos grandes) uma barriga lisinha, com um piercing no umbigo e a buceta raspada com apenas um fiozinho de pêlos, sua bunda também não é muito grande, mas é bem firme e empinada, parece uma boneca de porcelana, toda delicada, na hora eu tranquei a porta do quarto e continuei assistindo, nem por um segundo eu pensei em tirar a fita do vídeo, eu já estava de pau duro só com a expectativa de ver minha irmã transando no filme, ela ficou se alisando por um tempo, apertava os peitos coma mão e se lambia toda, esfregava e enfiava os dedos na buceta, que já estava molhadinha e levava até a boca, se virou e empinou bem a bunda, abrindo as nádegas com a mão arreganhando o cu, o cara, com a câmera na mão se aproximou e deu um tapa forte na bunda dela, que gemeu e se arreganhou mais ainda, enfiando um dedo no cu, o cara então empurrou a bunda dela de lado, fazendo ela se virar e deu outro tapa no seu rosto, o som do vídeo não estava muito bom, mas dava pra escutar ela pedindo mais, -isso seu puto gostoso, bate na cara da tua cadela e o cara deu outro tapa, ainda mais forte em seu rosto, nessa hora tudo o que passava pela minha cabeça era, isso bate na cara dessa puta, fode a minha irmã gostoso, ver a Valéria agindo como uma vadia e apanhando daquele jeito estava me deixando alucinado, e o fato dela ser a minha irmã só aumentava o meu tesão.

Ela ficou ajoelhada e arrancou a sunga do cara e começou a lamber seu pau, que era bem grande, passava a língua de cima a baixo, lambendo e chupando seu saco também quando o cara a agarrou pelos cabelos e enfiou o pau na sua boca e empurrou sua cabeça até o fim, quase enfiando as bolas também, achei que ela ia engasgar com um cacete daquele tamanho, mas a vadia o engoliu todinho sem nem reclamar, e ainda ficou com aquele pau entalado na garganta um bom tempo antes de começar a subir e descer, chupando ele todinho e se lambuzando toda, era demais ver a minha irmã, toda delicada e com pose de certinha chupando um cacete enorme como uma puta profissional, eu quase gozei vendo isso, e nem tinha começado a bater punheta ainda.

O cara então a puxou pelos cabelos, tirando o cacete da sua boca ordenou, com gestos que ela apoiasse as mãos na cama, ela colocou e empinou bem a bunda, se oferecendo toda e arreganhando o cu pra ele, que começou a xingar a desgraçada de prostitua, cadela vadia, filha de uma puta porca e de mais um monte de palavrões e dar tapas no seu traseiro até que aquela bunda branquinha ficasse vermelha, cheia de marcas de mão, minha querida maninha adorando cada segundo daquilo, ele cuspia na sua bunda e ficava esfregando o pau no seu rego e boceta, aquilo foi demais pra ela, que começou a implorar a ele pra meter logo aquele pau nela, que a arrombasse e a enchesse de porra, quanto mais ela implorava mais ele a provocava esfregando o cacete no seu cu e dando mais tapas em sua bunda, se eu já estava ficando impaciente imagine minha irmã, que estala ali doida por vara, nesse momento eu já estava só de cuecas, deitado na cama batendo uma punheta e tudo o que eu queria era ver minha maninha sendo fodida de tudo quanto é jeito, depois de ter provocado o suficiente o cara finalmente saiu de trás dela e colocou a câmera em uma mesinha, dando uma visão mais geral da cena e foi atrás dela, que ainda estava de quatro na cama arreganhando a bunda com as mãos, deu uma ultima cuspida no seu rabo, se ajeitou e disse -quer vara sua puta nojenta, então toma! e enfiou todinho aquele cacete enorme no cu da minha irmã de uma só vez, ela tremeu toda e urrou de prazer -isso desgraçado, arromba meu cu, fode a sua puta, isso, mais forte, vai e ele satisfazia ela, com estocadas fortes e rápidas, puxando ela pelos cabelos e dando mais tapas em sua bunda, nem em filmes hardcore eu tinha visto uma trepada tão intensa, ele fodia o cu da minha irmã de uma maneira que não se fode a pior das putas, até a cama estava tremendo, e a cadela da minha irmã adorava cada momento, pedindo sempre mais e mais forte, nisso o cara deu uma parada, só o tempo de pegar novamente a câmera e voltou a foder o rabo da Valéria, só que agora eu via aquele cuzinho sendo arrombado em close, ele então agarrou a Valéria novamente pelos cabelos e puxou eles para traz, arqueando as costas dela e forçando-a a virar a cara para traz, o rosto da minha irmã estava transformado de tesão, ela lambia os lábios, girava os olhos e gemia a cada estocada, o cara então empurrou sua cabeça e ela caiu de cara no colchão mas ela não se apoiou nos braços de novo, eles estavam para traz, provavelmente esfregando a boceta, mas pelo ângulo não dava pra ver, o filho da puta que estava fodendo tão bem minha irmã finalmente deu sinal de que não agüentava mais também quando anunciou -vou gozar cadela, rebola, rebola esse rabo gostoso no meu pau e a Valéria respondeu, aos berros -ISSO DESGRAÇADO, GOZA NO MEU CÚ, ENCHE MEU RABO COM A SUA PORRA QUENTE e foi o que o desgraçado fez, dando estocadas cada vez mais rápidas até que parou, com o pau até o talo no rabo dela, ficou assim um tempo, tendo alguma convulsões quando disse: -agora segura sua bunda a abre bem ela, quero filmar seu cu arrombado! e foi o que minha irmã fez com um risinho e dizendo: -vai pervertido, filma o estrago que fez, e segurou a bunda com ambas as mãos enquanto ele tirava o pau bem devagar do rabo dela e filmava tudo, eu tinha adorado o filme todo, mas essa cena me deixa de pau duro até hoje, só de lembrar dela, a Valéria, minha própria irmã de quatro, com as pernas abertas e arreganhando o cú, todo dilatado, parecendo um túnel, abrindo e fechando com porra escorrendo por ele até a boceta, a respiração curta, suspirando baixinho e com uma expressão de completa satisfação no rosto. Ela então se virou, deitando na cama e se espreguiçando como uma gata, com o corpo todo suado da transa, ficou assim um tempo, depois se ergueu e veio andando de gatinhas até a beirada da cama com uma cara de safada e perguntou: -o que vai fazer com esse vídeo? a única coisa que deu pra ouvir foi ele rindo antes do filme acabar.

Assisti esse vídeo umas quatro ou cinco vezes seguidas, simplesmente não conseguia parar, meu pau doía de tanto tesão, acho que nem o primeiro filme pornô que assisti, com treze ou quatorze anos me deixou assim, quem já teve o prazer de assistir a um vídeo com uma mina conhecida sabe vagamente como eu me sentia naquele momento, não era uma atriz paga fingindo um orgasmo, era a minha própria irmã no filme, trepando e agindo como uma puta e gozando como uma vadia, talvez eu devesse ter tirado a fita do vídeo, indignado, mas era o fato de ser a Valéria ali que me dava ainda mais tesão, o que era um problema, agora que eu tinha visto o filme e sabia como minha irmã agia na cama, que diabos eu deveria fazer com aquela fita????

Por enquanto é só, meu e mail é tarado_e_gostozo@hotmail.com

quem tiver experiências como esta ou tenha gostado de minha estória entrem em contato, dependendo posso continuar a relatar o que aconteceu e o que resolvi fazer com a fita (e minha irmã ^_^), e antes que perguntem, sim, ainda tenho esse filme e NÃO, EU NÃO EMPRESTO, NÃO TROCO, NEM TIRO CÓPIAS, é algo pessoal e como disse não quero me expor e muito menos a minha irmã, caso esteja pensando em mandar e mails pedindo isso pode esquecer que nem vou responder, caso tenha algum comentário a fazer fique a vontade.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Para entrar em contato com este autor preencha o formulario abaixo e clique em enviar.

Sobre este autor

  • Escritos por: darkcat
  • Membro desde: 18 de novembro de 2005

Outros contos de autoria deste autor darkcat

  • Nenhum outro conto escrito por este autor encontrado.
Ultimos contos escritos por darkcat »

Pesquisa