Welcome, visitor! [ Register | Loginrss

As melhores acompanhantes do Rio de Janeiro estão aqui! hotside.com.br

Voce ja acessou o contoerotico vezes! Para acesso ilimitado em nosso site seje um assinante vip

Eu, minha mãe, minha tia e meu primo.

  • Enviado: 5 de abril de 2004 14:13

Corpo do conto

Quando eu tinha 16 anos, meu tio alugou uma casa de temporada no litoral norte de Natal para duas semanas de férias e nos convidou. Meu pai dispensou,ficou em casa, pois para ele era inadmissível ficar uma semana que fosse longe do seu consultório. Isto não foi surpresa para ninguém, há muito todos na família já haviam assimilado aquele comportamento dele.

Porisso na segunda-feira pela manhã meu Tio Chico, Tia Bárbara, e o primo Roberto, nos apanharam em casa para nossa pequena viagem de hora e meia. Tio Chico tinha quarenta e três anos de idade, magro, cabeludo e muito tagarela enquanto que tia Bárbara, também tinha 43 anos de idade era bastante diferente da minha mãe. Cabelos escuros, falsa magra, um sorriso radiante e um traseiro e tanto. Meu primo Roberto puxava, fisicamente, mais a ela com o temperamento do pai.

Susana, minha mãe, tinha 40 anos, delicada, de olhos azuis e cabelos claros, e sorriso contido. Anos de balé tinham lhe dado pernas atléticas e nenhuma celulite. Era muito branca e ela pretendia mudar isso nesses 15 dias.

Nos primeiros dias em nada especial aconteceu. Todos íamos à praia e depois minha mãe e minha tia ficavam fofocando, enquanto meu tio dormia e nós íamos à caça de meninas, sem conseguir nada.

Então veio ” aquela manhã ” no inicio da segunda semana, quando meu tio recebeu um chamado do trabalho. Ele trabalha para a companhia de eletricidade e eles estavam desesperados para o achar, pois uma onde de calor invadiu a cidade, muitos aparelhos de ar condicionado estavam ligados e a situação tomava ares de emergência, fazendo com fosse necessária a presença de todos os gerentes, incluindo ele. Pensei que nossas férias tinham acabado, mas para minha surpresa ele disse que deveríamos ficar e que assim que fosse possível ele voltaria.

Naquela mesma noite, aborrecidos com os sucessivos insucessos junto às meninas da praia e explodindo de tesão, Roberto e eu estávamos em nosso quarto falando sobre música, mulheres, e nossa infindável virgindade. Havíamos decidido que no dia seguinte íamos apelar e pagar duas mulheres num boteco que conhecíamos. Lembro também como fiquei surpreso quando o Roberto me contou que sempre ouvia sua mãe pedir para ele tomar cuidado com essas mulheres e que vivia dizendo para o meu tio “arrumar uma mulher mais velha, experiente para o ” ensinar. Eu também já havia ouvido minha mãe dizer a mesma coisa para o meu pai.

Mal sabíamos nós que minha mãe e minha tia falavam quase que a mesma coisa.

O assunto era sobre seus jovens e preciosos filhos e de como elas se preocupavam com os dias de hoje, tão cheios de doenças sexuais fatais.

Aquilo de arrumar uma ” mulher ” mais velha para me ensinar, era o assunto e ela reclamava que meu pai não tinha ainda mexido uma palha para isso e o mesmo estava acontecendo na casa da minha tia. Ambas então, quase que ao mesmo tempo exclamaram: ” Por que NÓS mesmas não fazemos isso “.

“Mas aonde nós vamos encontrar essa mulher e como vamos saber se ela também não é portadora de uma doença?” disse minha tia.

“Mas eu não estou pensando em contratar ninguém e sim em nós mesmas lhes ensinarmos sobre sexo” disse minha mãe.

Exasperada minha tia falou ” Mas isso é incesto”!

“É sim, mas por uma boa causa.

Minha tia hesitava, mas minha mãe estava decidida:

” Muito bem, eu o farei. ” disse ela. ” Eu irei lá em cima agora mesmo e ensinarei a eles como fazer, não só com o meu filho, mas também com o seu.

Os olhos da tia quase pularam pra fora e as palavras como que jorravam da sua boca:

“Isso não! Se fizemos juntas com o filho da Margarida, vamos continuar fazendo juntas.”

Você quer trocar “? Minha mãe perguntou.

“Trocar”?

“Sim. Você faz com meu filho e eu faço com o seu “.

Minha tia encarou minha mãe e disse “NÃO”! Eu concordo, mas a primeira dele, tem que ser comigo.

Minha mãe acenou com a cabeça. ” Eu tenho pensado agora durante vários meses, e eu tenho tentado ganhar coragem, agora chegou a hora!

Ainda sorrindo para minha tia, a mãe continuou” Eles são gostosos, não são?

Minha tia sorriu e perguntou:

” Mas,será que eles vão querer?

Vamos descobrir – respondeu minha mãe.

Eu e meu primo estávamos no quarto de cima nem desconfiávamos do que iria acontecer,quando ambas entraram em nosso quarto, Estavam usando apenas suas camisetas de dormir que cobriam um pouco além calcinhas. Dizendo estarem muito sozinhas, nos pediram para lhes fazer companhia na sala e assistir televisão com elas.

Eu e Roberto ficamos um pouco sem graça, até porque ambos nos pegamos olhando para as pernas delas, ele nas coxas brancas e atléticas da minha mãe e eu nas pernas longas, esbeltas e bronzeadas da mãe dele. Todos nós nos instalamos na sala de estar, O Roberto e eu nas cadeiras e nossas mães no sofá, assistindo a tv em silencio. Ocasionalmente tanto eu como meu primo disfarçávamos e olhávamos na direção delas. Não tinha como evitar a tentação de ver aquelas coxas emoldurando a visão das calcinhas. Aquilo elevava ainda mais temperatura ambiente! Era um tal de cada um se ajeitar de lado para não expor nossos paus duros. Ao mesmo tempo que procurávamos um vigiar o outro, ao mesmo tempo não conseguíamos deixar de apreciar o espetáculo que nossas mães propiciavam.

Roberto, você tem namorada “? Perguntou de surpresa, minha mãe.

Ele atônito riu um riso nervoso, e olhando agora sem medo para as pernas da minha mãe disse que não.

Depois que uma pequena pausa minha mãe voltou a perguntar – Duvido que algum de vocês já tenha visto uma mulher nua – fora de uma revista “?”.

Aquilo era demais. Esse papo ia nos deixar loucos e a nossa não resposta imediata foi o suficiente para que minha mãe, apanhando o controle remoto e desligando a TV, virasse para a irmã e proferisse:

” Penso que está na hora destes dois verem uma mulher nua, não ?

Tia Bárbara apertou os olhos como eu nunca havia visto antes e respondeu ” Claro!

Minha Mãe se levantou e lentamente começou a tirar a camiseta. Sorrindo o tempo todo e com os olhos em cima de mim e do meu primo exibiu seus peitos, mamilos rosas com os bicos duros pareciam implorar por uma boca para chupá-los. Mantendo os olhos dela o tempo todo em nós, ela abaixou as calcinhas até o chão, revelando seus pelos loiros. Nos dando então um sorriso, ela se virou para expor sua suculenta bunda enquanto dava um pequeno meneio. Deus, isso que era uma bunda sensual.

Roberto e eu estávamos sem respiração e quando o fazíamos a respiração era pesada. Eu ainda não acreditava que minha mãe estivesse li nua, se expondo também ao meu primo quando ela falou o suficiente para que esses pensamentos saíssem da minha cabeça:

” Agora é você, Bárbara. Minha tia era mais hesitante mas mesmo assim seus olhos faiscavam. Olhando para nós ela se levantou e com um só movimento tirou e jogou sua camiseta no chão e com outro ainda mais rápido fez sua calcinha juntar-se à camiseta. Foi selvagem.

” Tesão”! Roberto balbuciou. Tia Bárbara gostou da reação do filho e riu da maneira como eu estava fixado nos peitos dela. Suas auréolas eram muito maiores dos que os da minha mãe, ainda que já um pouco caídos e pequenos, mas redondos e extremamente iguais. As mãos de minha tia estavam se movendo lentamente ao longo do corpo e seus olhos pareciam dizer:

” Venham”!

Minha mãe próxima à tia encostou sua bunda na bunda da tia e ambas nos olharam por cima dos ombros. Dava para perceber que ambas estavam excitadas com a situação e minha mãe perguntou:

“Aprovadas”?

Meu primo com uma rodela de pré-gozo no seu calção e eu com outra igual estávamos sem fala. Minha mãe e minha tia como se houvessem ensaiado disseram a uma só voz:

” Agora vocês tirem os calções”.

Eu tirei o meu, olhando para minha tia, mas melhor fez o Roberto que tirou o dele lentamente. Os olhos da minha mãe cintilaram e minha tia deu aquele sorrisso diabólico.

Lá nós estávamos de pé, dois adolescentes nervosos com nossos paus duros e melados. O pau do Roberto era um pouco maior e mais grosso que o meu.

Minha mãe ficou de boca aberta e passava a língua entre os lábios enquanto examinava nossas picas duras e jovens, enquanto que minha tia levou suas mãos para entre as pernas. .

” Vocês realmente cresceram, disse minha mãe com um sorriso.

” E como” somou minha tia.

Minha mãe fugiu do olhar fixo do Roberto, olhou para mim e disse:

” Vem cá”.

Minha tia estava olhando fixamente para o pau duro do filho, enquanto sem perceber massageava os peitos com uma mão, enquanto a outra permanecia entre as pernas.

Eu e o Roberto continuávamos em pé, como que paralisados, mas minha mãe deu um passo e ajoelhando-se entre eu e o Roberto segurou meu pau, acariciou-o alguns vezes e abaixando a cabeça levou meu pau para sua boca. Eu não sabia o que fazer e só senti meu pau desaparecer dentro da garganta da minha mãe. Ela foi algumas vezes para cima e para baixo, cobrindo meu pau com a saliva dela. Era supremo! A língua dela estava tão quente e lisa e cobria centímetro do meu pau, De repente ela tirou o meu pau da boca e virou sua atenção para o Roberto. Com a mão esquerda dela afagando meu pau molhado, a mão direita agarrou o pau do Roberto e o chupou.

Enquanto isso, minha tia que até aquele momento só assistia a ação da irmã chupando o pau do filho, ajoelhou-se, começou a passar a língua no meu saco, enquanto que com a ponta dos dedos estimulava ainda mais o saco do filho, que estava com o pau totalmente enfiado na boca da minha mãe. Então ela abocanhou me pau e começou a chupa-lo com muita força.

Você gosta assim “? Minha tia perguntou”.

Um grande gemido meu foi a melhor resposta.

Elas então trocaram, minha tia sempre selvagem fez o filho estremecer enquanto minha mãe terminou o serviço que minha tia iniciara e me fez gozar.Agarrei a cabeça dela e larguei toda minha porra na boca dela. Depois que eu terminei ela deixou a porra correr fora da boca dela e em cima de meu pau, sem parar de chupar, tragando outra vez a porra que ela mesma deixava no meu pau. Assim fazendo ela tragou cada gota. Minha mãe era uma profissional!

Quase que ao mesmo tempo foi Roberto que gozou na boca da mãe dele. Os olhos dela se puseram realmente grandes cada vez que sentia o jorro do filho. Ela os fechou então e começou a tragando o suco sofregamente. Não ficava atrás da irmã. Era também uma senhora chupadora.

” Você meninos são gostosos, disse minha mãe. Roberto e eu estávamos em céu. Não tínhamos tido nada igual! Passados alguns minutos minha mãe se levantou e nos disse que a seguíssemos escada acima para o quarto dela.

Quando nós entramos no quarto da minha mãe, ela jogou-se em um lado da cama, enquanto que do outro lado minha tia fazia a mesma coisa.

” Agora” disse a minha mãe, apertando seu olhos – Nós vamos fazer de vocês…machos!. Minha tia deu um malicioso sorriso, e minha mãe abrindo as pernas e olhando para mim e mostrando sua buceta, disse:

“Vem… vem pôr seu pau aqui”.

Nós vamos fuder? Roberto exclamou, – de verdade?

” Sim, agora – disse minha tia

Fui para cima dela. Nem sei como meu pau automaticamente ficou na posição ideal e ela só deu uma encaminhada manobrando meu corpo e disse ” Vai agora, mete na mamãe!

Se com a boca ela já tinha acabado comigo, meter na sua buceta era inacreditável. Fui empurrando mais e mais, enquanto um calor gostoso envolvia todo o meu pau que cada vez entrava mais. Na seqüência, por instinto, eu tirei um pouco e tornei a meter novamente. Repeti isso até pegar um ritmo legal, empurrando e tirando; ora mais rapidamente, ora mais lento mas sempre ritmado. Ficou melhor quando percebi que minha mãe estava gemendo a cada empurrão. Ela dizia:

” Bom…gostoso…vai…mais…não para! Não para! Vaiiiiiiiiiiiiiii!, Isso…isso é ISSO! Ah! deus, sim! FODE! fode! Fode mamãe, fode! Mete…mete na sua mãe, força…força!!

Eu na hora nem saquei, mas meu primo, fazia o mesmo com a mãe dele, só que empregando mais força e sem diminuir o ritmo como eu fazia, Roberto só gritava: ” Legal, legal”!

Minha tia gritava tanto quanto ele e a cada empurrão abria mais suas pernas, pedindo mais e mais. O quarto estava cheio com os sons de sexo fantástico! A cama grande tremia.

Meu primo e eu ficamos muito tempo dentro delas, até que quase ao mesmo tempo inundamos de porra suas bocetas. Minha mãe não se contia:

” Isso meu bebê, goza…enche mamãe de leitinho. Goza em mim, goooooooooozaaaaa”!

Depois disso silenciamos cansados e suados.

Nisso ouvimos Roberto e tia Bárbara também gozarem e minha mãe, quase que num sussurro, disse:

” Isso Roberto, fode a sua mãe! Joga teu leitinho nela, espalha, lambuza ela. Ouvindo essas palavras, eu notei que meu próprio pau estava se pondo duro novamente, mesmo ainda dentro da buceta dela!

Tirei de dentro dela, ainda duro, desmoronando a seu lado e o mesmo aconteceu com Roberto.

Minha sentenciou:

” Vocês agora são machos ”

E olhando para a irmã, perguntou:

” Como foi Bárbara “?

” Mmmm, muito bom…” ela gemeu.

Ficamos assim por pouco tempo e logo minha tia olhou-me perguntou:

Quer vir comigo?

Aquilo fez meu pau endurecer na hora e quando saltei entre suas pernas vi que minha mãe puxava meu primo pelo pau e o colocava na buceta onde há alguns anos atrás eu havia saído.

Roberto nem pestanejou e sem dó socou de primeira seu pau dentro da buceta de minha mãe. O pau dele fez minha mãe gemer. Eu me minha, mais lentos, saboreávamo-nos e ao mesmo tempo a tudo assistíamos. Fiquei com tesão só de ver meu primo fuder minha mãe. O jogo era bom, ele podia estar fudendo minha mãe, mas eu também estava fudendo a mãe dele. Chumbo trocado não dói.

Minha mãe berrava ao receber todo o pau do Roberto, enquanto que minha tia a cada estocada pedia mais, estava mais solta do que quando trepou com filho. Ela era mais do meu estilo e minha mãe era mais do estilo do Roberto. Enquanto nós estávamos perdidos em nosso próprio êxtase, minha mãe e Roberto viviam dentro de uma tempestade.

“Mais forte Roberto! Mais forte”! Minha mãe gritava como um animal ferido.

Com isso comecei a gozar e minha tia começou a gemer ruidosamente como que anunciando que o gozo dela também estava próximo.

Roberto caiu exausto entre as mães enquanto que eu fiquei em cima da tia.

” Vocês, meninos são bons, não são Bárbara “?

” Meu Deus” minha tia respondeu, estou encharcada. Gozei muito.

” E vocês? minha mãe perguntou.

O Roberto e eu rimos. ” Muito bom ” ele disse. Concordei.

Descansamos um pouco, mas dois adolescentes no mesmo quarto, com duas mulheres, na mesma cama, paus amolecidos logo se tornam duros!

” Você querem mais,”? a mãe insinuou.

Nós rimos. Sim, nós queremos mais! Nós também, disseram elas.

Sempre tomando a iniciativa, minha mãe pegou meu pau, salivou-o bastante e disse “Tentemos isso”. Ficando de quatro, falou para que eu ficasse atrás dela.

O QUE? Disse tia Bárbara – Você vai querer fazer isso!

O Roberto e eu estávamos bobos.

” Vem filho, enfia na minha bunda, mas faz isso devagar. E você Bárbara eu sei que também quer. Vamos lá! Ensina pro teu filho como é! Anda.

Ainda boquiaberto, coloquei meu pau na direção daquele buraco rosa e empurrei.,Era quente e apertado. Eu gostei!

Roberto virou à mãe dele e sem perguntar pôs o pau dele para penetrar o rabo dela A tia não parecia gostar mas cedeu e logo estava com todo o cacete do filho dentro do seu cu.

Eu segurava minha mãe pela cintura, e bombeava meu pau profundamente enquanto ela gemia:

Vai..vai..eu realmente gosto disso” Vai..vai.

Então ela alcançou seu clitóris e começou a se acariciar enquanto eu continuava empurrando e tirando meu pau do cu dela. Ao mesmo tempo, a Bárbara agora puxava o filho para dentro dela de forma insaciável.Roberto e eu começamos a sincronizar nossas tiradas e empurrões de forma que ficou em harmonia. Estava divertido, enfiávamos e tirávamos nossos paus de dentro de nossas mães ao mesmo tempo.

Nisso minha mãe sugeriu – “Vamos trocar, Bárbara? Antes que a tia respondesse nós imediatamente trocamos, mas não sem antes observarmos aqueles cus arrombados.

Minha tia parecia um pouco mais confortável comigo, por meu pau ser menor. Ela realmente parecia gostar da maneira como eu a fudia no cu. Ela gemia expressando muito prazer.

Enquanto a Bárbara gemia minha mãe berrava.

” Que pau grande, ta me arrombando toda…eu gosto…é disso que eu gosto, força, me arromba! A visão do pau dele, arrombando o cu da minha mãe era de estarrecer. Se eu não a ouvisse gritar de prazer e querendo mais, eu teria feito alguma coisa. Ela gotejava pela buceta de tanto prazer. Nisso minha tia gozou. Ela realmente sentia muito prazer no cu. Foi um gozo forte e para os moldes vocais da minha tia, muito forte.

” Ahh, ahh, ahh “! ela chorou. ” Oohh! Oohh! Oooohhhh “! a Bárbara tremeu um pouco, o gozo veio em etapas eu empurrava de modo mais forte, dentro e fora pois sabia que também iria esporrar. Deixei sair um grito e gozei dentro do cu da minha tia, enquanto ela transtornada, batia com a cabeça no colchão de tanto gozar também.

Naquela hora olhei para o Roberto e para minha mãe e a vi atolada com o cu no pau dele enquanto ele quase que parado injetava também toda sua porra nela. Eles ferviam.

Totalmente esgotados todos nós fomos tomar banho.

Então eu perguntei – “Nós podemos fazer tudo isso novamente amanhã ” .

Não só amanhã… elas responderam.

Ainda não descobri quem era esse garoto de 14 anos que comeu minha mãe e minha tia, mas quando descobrir, vou querer comer a mãe dele.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Para entrar em contato com este autor preencha o formulario abaixo e clique em enviar.

Sobre este autor

  • Escritos por: trovador48
  • Membro desde: 16 de abril de 2004

Outros contos de autoria deste autor trovador48

Ultimos contos escritos por trovador48 »

Pesquisa