Welcome, visitor! [ Register | Loginrss

As melhores acompanhantes do Rio de Janeiro estão aqui! hotside.com.br

Tipo do usuario: guest

Esposa escravizada e prostituida

  • Enviado: 13 de dezembro de 2002 09:00

Corpo do conto

Esta história é totalmente verídica. Meu nome é Renata, tenho 23 anos, sou casada há 4 anos, meu marido tem 34 anos e é engenheiro, temos um ótimo padrão de vida.

Quando faltava uma semana para o meu casamento eu cometi uma grande besteira; eu tinha um ex namorado, tinha sido meu 1º homem, ele vivia no meu pé, então eu decidi que antes de casar eu ia dar a última vez pra ele; chamei ele e fomos a um motel. Entretanto, o desgraçado, pra tentar acabar com meu casamento avisou meu noivo, na saída do motel lá estava ele, foi terrível.

Ele me pegou pelos cabelos no meio da rua, me jogou no carro e me levou para casa dele, eu implorava pra ele para não me deixar, ele me chamava de puta e me dava tapas na cara, ele disse que ia contar pra toda minha família, disse ainda que tinha tirado fotos na hora que eu entrei e na hora que eu sai do motel, eu estava perdida, meu pais são muito religiosos, eu tive uma criação muito rígida. Eu ajoelhei a seus pés e disse que se ele casasse comigo e não contasse nada eu seria a melhor esposa do mundo e faria tudo que ele quisesse sempre. ele disse que ia pensar o que fazer comigo.

Depois de 2 dias ele me procurou, estava agindo normalmente, disse que casaria comigo e não falaria o ocorrido desde que eu cumprisse o que havia prometido, eu disse que seria pra sempre dele e faria tudo para agradá-lo; eu achei que ele tinha me perdoado.

Casamos, logo depois da cerimônia, ainda na igreja, ele me disse que eu seria a maior de todas as putas e que me arrependeria de ter feito aquilo com ele; na hora eu fiquei muito assustada, me controlava para não chorar e borrar a maquiagem; fomos para a festa, foi em uma chácara bastante grande.

Tudo corria normalmente, em um determinado momento ele veio até mim e me chamou pra conversar, me levou sorrateiramnete para um lugar afastado da chácara, um lugar cheio de árvores. Chegando lá ele me segurou firme pelo cabelo e disse que me faria uma pergunta e se eu não falasse a verdade ia apanhar ali mesmo; ele perguntou olhando bem no meu rosto se aquele dia no motel meu ex namorado tinha gozado na minha boca (eu nunca tinha deixado meu noivo fazer isso), eu respondi que não (era verdade), ele me chamou de vadia mentirosa bebedora de porra, me deu um tapa no rosto e me mandou ficar ali e esperar por ele. Eu fiquei ali, não segurei o choro, ali eu compreendi a besteira que tinha feito ao me casar com ele. Depois de uns dois minutos ele voltou com uma taça de champagne, ele chegou perto de mim, tirou o pau pra fora da calça e mandou eu masturba-lo, eu começei a fazer o que ele pediu, estava com muito medo que algum convidado visse a gente, quando ele estava quase gozando, ele jogou quase toda a champagne que estava na taça fora, ficou só um pouquinho, ai então ele mesmo segurou seu pau e gozou tudo dentro da taça, ficou muito mais porra do que champagne dentro da taça.

Ele disse que eu teria de beber tudo, mas não ali, teria que voltar pra festa e chegar próximo aos meus pais, teria que beber num gole só. ele me levou até o local onde meus pais estavam, eu segurava a taça de modo que ninguém pudesse ver o líquido branco lá dentro, ele encostou perto dos meus pais e começou a conversar, me deu um cutucão, foi o sinal, eu virei toda a porra dele na boca, nunca tinha sentido gosto de porra antes, achei horrivel, quis vomitar, mas não podia, engoli tudo, não pude evitar uma careta, minha mãe perguntou o que foi, eu disse que tinha sido apenas uma dorsinha no estomago.

Depois da festa fomos para a lua de mel, em Maresias, litoral norte de SP. Durante a viajem ele me tratava normalmente, entretanto ao chegarmos no hotel a coisa mudou; ele mandou eu ficar com o vestido de noiva e deitar na cama, eu achei que ele fosse me comer, engano meu, ele simplesmente saiu do quarto, antes de sair ele mandou eu permaneçer deitada e não tirar o vestido de jeito nenhum.

Eu liguei a TV e fiquei lá como ele mandou, deitada e vestida de noiva, depois de umas 2 horas ele voltou, sentou do meu lado e disse que a putinha teria uma lua de mel insquecível, ele então deitou em cima de mim, levantou meu vestido, abriu minhas pernas e começou a meter com muita força, era horrível, gozou rapidinho dentro de mim, eu fiquei triste mas achei que ia ficar naquilo, engano meu, ele pegou uma venda e tapou meus olhos, mandou eu ficar de 4 na cama, eu fiquei, ele disse que eu teria uma surpresa; ele ligou para a recepção do hotel e disse disse para mandar subir, eu não entendia o que ele planejava, mas estava com muito medo. A campainha tocou, ele abriu a porta, eu estava vendada e de 4 na cama, não via nada, apenas ouvi passos e muitos risos. Meu marido então disse pra mim me comportar direitinho, como uma boa puta, senão seria pior. Ele então disse: – Rapazes, essa gostosa ai vestida de noiva é uma puta que eu trouxe pra cá pra realizar minha fantasia, eu sou voyer, e gostaria de ver uma vadia ser fodida por 5 homens, por isso eu trouxe vocês, façam o que quiser com ela, podem meter, bater, fazer o que quiserem, ela é só uma puta e eu estou pagando bem caro pra ela. Na hora eu começei a chorar muito, estava desesperado, eu estava lá, na minha lua de mel, vestida de noiva, pronta pra ser usada por 5 homens que pensavam que eu era puta.

Um deles levantou o meu vestido, deixando minha bunda a mostra, ele disse: – vamo lá pessoal, vamo detona essa piranha; ai então eu senti uma cintada na bunda, a segunda veio mais forte, a terceira foi muito forte, eu tentei mudar de posição, colocar a bunda pra baixo, mas os outros 4 me seguraram, eu fiquei deitada na cama com a bunda pra cima, ele começou a bater novamente, batia com muita força, doia demais, eu pedia pra parar e eles só riam e mandavam eu calar a boca; quando o primeiro cansou de bater, passou a cinta para outro, eu devo ter levado umas 100 cintadas, sem exagero nenhum. Um deles falou: – chega de bater, vamo fude essa noivinha agora.

Me colocaram de 4 de novo, mas antes rasgaram todo meu vestido, um deles veio e meteu a pica na minha buceta com muita força, era enorme, ele tirava devagar e metia com força, eu sentia sua pica bater no meu útero, era horrível, a única lubrificação era a porra que meu marido tinha despejado dentro de mim, mas como eu estava de 4 já tinha escorrido tudo, doia muito, eu pensei que minha vagina fosse rasgar; outro veio e meteu na minha boca, o fato de eu estar vendada me incomodava ainda mais, esse que meteu na minha boca não tinha o pau muita grande, mas tinha um cheiro horrível, me deu muita ansia. O que metia na minha buceta saiu e veio outro, o que estava na boca também saiu, o segundo que meteu na minha boca tinha um pau gigantesco, bem maior do que o que tinha metido na minha buceta, só passava até a cabeça, ele me dava tapas e mandava eu abrir mais a boca, eu começei a pensar que se ele metesse na minha buceta eu tava ferrada, não deu outra, ele disse que queria arrombar minha buceta, ele deitou na cama e disse que queria me ver toda entalada no pau dele; os outros me levantaram e me colocaram posicionada em cima dele, eu sentia aquela cabeça enorme bater na entrada da minha vagina, eu tremia de medo, ele segurou a pica, encaixou na entrada da minha buceta, meu marido que até então estava quieto falou: – vai vagabunda, senta na pica dele e não reclama, você tá sendo paga pra isso. Eu tentei sentar mas não conseguia, ai então, outro cara que estava apertando meus seios me pegou com força e me empurrou de uma vez só naquela pica, eu dei um berro, um urro de dor, fiquei imóvel, sentada naquele pau, sentia ele todo dentro de mim, outro veio por trás pegou meus seios e começou e me fazer subir e descer, eu achava que ia morrer, mas o pior estava por vir.

o cara que esta em baixo me fez deitar sobre ele, veio outro por trás e começou a passar o pau no meu cú, eu fiquei desesperada, nunca tinha feito aquilo, sempre achei horrível a idéia de ter um pau naquele lugar. O cara que passava o pau no meu cu disse: – mete alguém a pica na boca dessa vaca pra ela não grita quando eu arrombar o cu dela. dito e feito, na hora encheram a minha boca com uma rola, e numa estocada firme e forte o cara meteu o pau no meu cu, eu quase desmaiei, depois de uns 10 minutos eles trocaram, outro veio por baixo, um meteu no cú, e o da pica imensa veio na minha boca novamente; depois, o que eu mais temia aconteceu, aquele que tinha a pica enorme, que já tinha detonado minha buceta, disse agora que ia arrombar o meu cu, eu já não conseguia nem chorar mais, as lagrimas já tinham secado. Ele me colocou de barriga pra cima, colocou minha pernas nos seus ombros, me deixando toda arreganhada, eu pedi por favor para não fazer aquilo pois eu não aguentaria, como resposta eu levei um tremendo tapa; ele colocou a cabeça, eu senti escorrer sangue, sem se importar, ele continuo metendo, sem dó, só parou quando as bolas bateram na minha bunda, eu não suportei, desmaiei.

Acordei depois com meu marido batendo na minha cara e me mandando acordar, que ainda não era hora de dormir, disse que agora eles iam matar minha sede; me colocaram sentada na beirada da cama, veio o 1º, botou o pau na minha boca mandou eu chupar, eu chupei até ele gozar, mandou eu engolir tudo, eu queria morrer, estava bebendo o semem de homens que eu não podia nem ver o rosto, depois veio outro e depois outro, ou seja, os 5 homens despejaram porra na minha boca, e como tinham metido muito tempo, estavam cheios de porra, eu fui obrigada a engolir tudo.

Depois que foram embora, meu marido tirou minha venda, eu vi que a cama estava toda suja de sangue, eu estava toda arregaçada, minha buceta e meu cu sangravam.

Ele me mandou deitar no chão, disse que eu dormiria no chão, como uma cadela, e que não poderia me lavar, nem a boca, teria que dormir daquele jeito, sangrando, com restos de porra na boca; o cheiro da porra era insuportável.

Eu deitei no chão, ao lado do vestido de noiva todo rasgado, fiquei pensando que minha vida estava destruída.

Ele mandou eu dormir, disse ainda para me acostumar com aquilo, pois dali em diante, minha vida seria para sempre daquele jeito.

E foi mesmo, aquilo foi só o começo do meu inferno, vocês não tem noção do que esse homem já fez comigo, ele é um verdadeiro demonio.

Outro dia eu vou continuar contando as atrocidades que tenho sofrido todo esse tempo, eu fui transformada num verdadeiro objeto, uma puta de verdade (ele começou a ganhar dinheiro comigo), sou tratada como um depósito de semem, bebo porra como se fosse água. Mas essa história fica pra outra vez.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Para entrar em contato com este autor preencha o formulario abaixo e clique em enviar.

Sobre este autor

  • Escritos por: vinyabc
  • Membro desde: 21 de outubro de 2003

Outros contos de autoria deste autor vinyabc

  • Nenhum outro conto escrito por este autor encontrado.
Ultimos contos escritos por vinyabc »

Pesquisa