Welcome, visitor! [ Register | Loginrss

Enviar Conto

Delírio de casais

  • Enviado: 8 de setembro de 2008 17:41

Corpo do conto

Este conto foi resgatado de um site que já não existe mais. Não sei o nome do autor. Estava cheio de erros ortográficos e espero ter conseguido tirar a maioria deles. O meu trabalho foi apenas de resgate. Beijos e boa leitura! Elen Regina ********************************************************* Chamo-me Paulo, tenho 34 anos, 1,82 de altura, corpo bem sarado por fazer musculação há muitos anos. Tenho uma pica de 22×15 cm, estou namorando uma garota de 28 anos chamada Larissa há quase um ano, cabelos pretos 1,70 de altura,peitos e bunda grande e empinados, pernas lindas e fortes de muita musculação (freqüentamos a mesma academia). Nós adoramos putaria e não temos nenhuma frescura, o que aparecer nos topamos. Um grande amigo meu da academia que freqüentamos é tão safado quanto nós, o nome dele é Gustavo, ele tem o mesmo físico que o meu, mas é um pouco mais baixo ,2 anos mais velho e a pica dele mede 20×14 cm. Nós conversamos muito sobre sexo e putaria e ele disse que a esposa e ele queriam experimentar algo novo, combinamos de fazer um churrasco na chácara dele onde poderíamos foder à vontade. No dia combinado (uma sexta-feira) chegamos por volta das 9h da manhã, quando descemos do carro ele vem nos cumprimentar completamente nu, com a pica dura e melada. Nos cumprimentamos e ele nos chamou para ir até à piscina. Eu disse para esperar um minuto, eu e a Larissa começamos a tirar as roupas e as colocamos no carro. Ela veio e me abraçou, eu coloquei minha mão na bunda dela e fomos andando, nesse momento meu pau também estava muito duro. Quando chegamos à piscina vejo a esposa dele e depois outro casal, o qual reconheço como sendo filhos dele e, para minha surpresa, estão todos pelados. Cumprimento sua esposa, Thaís, 38 anos, loira, 1,65 de altura bunda e peitos enormes, e que são realçados pela baixa estatura. O interessante nela é que a boceta era toda raspadinha, mas tinha um tufo pintado de loiro em cima do clitóris. Cumprimento o filho dele que também estava com o pau duro e melado, o nome dele é Alexandre 19 anos, parece com o pai, só tem menos corpo, e assim como o pai tem pelos aparados em cima da pica que mede 18x13cm. E por fim, a filha mais nova, Carla, de só 18 aninhos, com uma bundinha linda e peitinhos médios, que eu sabia que ainda iriam ser tão grandes quantos os da mãe, a bocetinha dela estava toda raspadinha. Como já disse, meu pau mede 24x15cm, e eu raspo meu pau, bolas e cu, pois a Larissa não gosta de pelos nessas áreas, e ela deixa crescer pelos na boceta dela, pois amo o estilo “floresta amazônica”. Gustavo, vendo minha surpresa diz “espero que não se incomode, Paulo. Quando eu disse a eles que teríamos convidados pra sexo eles insistiram em vir”, eu digo que não tem problema algum, que quanto mais, melhor. A esposa dele vem em minha direção e me da um beijo e depois desce até a minha pica e começa a chupá-la. Ela olha nos meus olhos e diz “Nossa… Como seu cacete é gostoso.” Ela chupa um pouco mais se levanta e fala com a Larissa “Vamos ficar aqui” levando-a até a filha, as três falam alguma coisa e depois olham pra nós, e ficam de quatro, uma do lado da outra e nos falam pra comermos o cu delas. Nem pensamos duas vezes, eu vou e começo a chupar a bunda da Carla, enquanto o Gustavo chupava o cu da Larissa e o Alexandre chupava o cu da mãe. Nós chupávamos, enfiávamos a língua dentro, até que não conseguimos mais agüentar. Alexandre pegou um frasco de lubrificante na mesa e nós passamos bastante nas nossas picas, e depois lambuzamos bem os cuzinhos das três e encostamos as cabeças nos cus delas. Elas começaram a gemer em coro e ficaram pedindo pra enfiar logo, o Gustavo falou “Pronto rapazes, podem enfiar!”. Dito isso, enfiamos com tudo, até onde podíamos e as três começaram a gritar de prazer, já sabíamos que as três já estavam bem arrombadas, então não tinham muita dificuldade. A única que gritava mais era a Carla, pois o meu pau é mais grosso que o do Gustavo. Estávamos estocando com força no cu delas elas gritavam e gemiam “VAI..VAI…FODE… ENFIA ESSA PICA ATÉ O FUNDO… VAII. VAII… COME O MEU CU… ENFIA ESSE CARALHO ENFIA…” Gozamos quase juntos e enchemos o cu de cada uma com nossas porras. Elas gritavam “AIII… QUE PORRA QUENTINHA… AII… AII…” Nós então trocamos. Eu agora ia comer o cu da Thaís o Alexandre da Larissa e o Gustavo da Carla. Não fizemos cerimônia e enfiamos logo, elas ficaram caladas, agüentando as toras entrando e saindo do rabo delas e ficavam se beijando, o que nos dava mais tesão ainda. Tudo que ouvíamos era o barulho das nossas bolas batendo nas bundas, ficamos estocando por uns 20 minutos quando gozamos de novo. A Carla olha pra mim e diz “A sua porra é mais quentinha que a do Alexandre, tenho certeza que deve ser deliciosa também”, a Larissa fala “Você nem sabe o quão gostosa é!” Nós tiramos nossos paus e trocamos de novo, dessa vez eu ia comer o cu da Larissa, o Alexandre o da irmã e o Gustavo comia a esposa. Eu olho pra ela e digo “Nossa, seu cu tá todo aberto, me deixa alargar ele mais!” E fui enfiando, assim como os outros dois. Eu estava com mais tesão que nunca, eu podia sentir a porra do Gustavo e Alexandre no cu dela. As três gemiam “ISSO… ISSO… FORTE… FODE… FORTE… ENFIA… TUDO… ENFIA ESSE CARALHO ATE O FIM”. Ficamos comendo elas por uns 20 minutos, até que gozamos de novo. Eu, o Alexandre e o Gustavo já estávamos exaustos, tiramos nossos paus de dentro e sentamos, mas as mulheres não queriam parar, ainda de quatro elas fizeram um círculo pra chupar a bunda da outra, chupar a porra escorrendo do cu da outra. Nós aproveitamos para apreciar essa maravilhosa cena. Gustavo se levanta, olha no relógio e diz que vai pegar a carne. As três se levantam e caminham na minha direção e na do Alexandre. A Carla senta no colo dele e começam a se beijar, a Thaís e Larissa sentam, cada uma numa das minhas pernas e começam a se esfregar comigo, lambem meu corpo. Elas sabiam que só iam chupar meu pau depois do almoço, mas elas ficam passando a língua por todo meu corpo. A Thaís então fala “Quanta sorte nós temos, sendo fodidas por homens assim, olhem só essa barriga *beijo*, esses braços *beijo*” e a Larissa fala: “Eu sei, não é maravilhoso, eles são tão maravilhosos que fazemos tudo por eles”. O Gustavo nos chamou para comermos, mesmo durante o almoço a putaria não parava. A Thaís pegou uma das salsichas e enfiou na boceta. O Gustavo olha e diz que quando terminarmos ele vai enfiar a salsicha dele lá, ela tira a salsicha e diz: “Eu posso esperar” e dá a salsicha pro Gustavo. Ele come com gosto e diz: “Com gosto de boceta fica mais gostoso.” A Larissa nem perde tempo, ela e a Carla pegam uma e enfiam na boceta e depois dão pra mim e pro Alexandre. Nós comemos e eu digo que realmente com boceta da um gosto a mais, depois de comermos ficamos conversando sobre sacanagem pra passar o tempo. Depois de uma hora + ou – e depois de algumas cervejas voltamos a foder. Fazemos esquema de troca, só que dessa vez íamos meter nas bocetas. Depois de terminarmos nos sentamos pra descansar enquanto elas chupavam a boceta umas das outras. Depois elas vêm engatinhando até nós e caem de boca nas nossas picas, a Carla chupava meu pau e tava me deixando louco, ela passava a mão nas minhas bolas, lambia e as beijava. Ela até colocou as minhas bolas na boca e eu gozei na boca dela e ela engoliu tudo. Eu olho pro lado e vejo a cara da Larissa com a porra do Alexandre e a Thaís também com porra na cara lambendo a porra do filho. O Gustavo então, diz que poderíamos foder em particular, a Carla se levantou num pulo e me puxou pela mão dizendo: “Vem aqui Paulo, vamos trepar no meu quarto”. O Alexandre olha pra mim e diz “E eu vou trepar com a Larissa no meu” ela deu um sorrisinho safado, se levantou e foi com o Alexandre pra dentro da casa. Pergunto pro Gustavo onde ele ia foder ele diz “Aqui mesmo, nada melhor que uma trepada dentro da piscina”. Eu então entro na casa com a Carla. A casa é de dois andares, o quarto dela ficava no andar superior e, quando eu entrei, era um típico quarto de garota, cheio de ursinhos e bonecas… tudo cor-de-rosa! Eu deito na cama e ela vem junto com a boca já aberta pra abocanhar meu pau. Nós fademos por quase 2h fizemos varias posições: 69, frango assado, papai e mamãe, cavalgada, tudo. Gozamos várias vezes, e ela sempre engolia toda a porra e eu engolia as gozadas dela. No fim do dia eu e a Larissa fomos dormir no quarto de hóspedes, que fica no 2º andar, onde o quarto do Gustavo também fica. Claro, só fomos dormir perto de 1h da manhã. Ficamos fodendo até essa hora, e dormimos abraçados sujos de porra e suados.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Para entrar em contato com este autor preencha o formulario abaixo e clique em enviar.

Pesquisa